Afinal o que está em causa?

Nesta secção iremos compilando documentos relevantes que reiteram a necessidade de preservar espaços verdes, principalmente em contextos urbanos.

Estudos ambientais
Fortalecer a resiliência do património cultural para as mudanças climáticas
strengthening cultural heritage resilience for climate-NC0822056ENN.jpg

Este relatório resume o trabalho do grupo de peritos dos Estados-Membros do Método Aberto de Coordenação da UE (MAC) sobre «Reforçar a resiliência do património cultural às alterações climáticas». Baseia-se nas discussões e informações, fornecidas e aprovadas pelos membros do grupo de especialistas da OMC, nas reuniões durante 2021-2022, além das apresentações feitas pelos especialistas externos convidados. No seu relatório, o grupo de especialistas da OMC formula um conjunto de recomendações-chave para os policy makers, com base nas suas descobertas.

Estudos ambientais
Observatórios da UNIÃO EUROPEIA
drought_in-europe_202207_AdobeStock_255502176.jpeg

Observatórios da UNIÃO EUROPEIA (EU Science Hub), com informações e previsões sazonais sobre Resiliência e adaptação climática,  Incêndios Florestais, etc.

EDORA - European Drought Observatory for Resilience and Adaptation

European Forest Fire Information System EFFIS

Seasonal Forecasts

European Drought Observatory  / (Ler notícia)

Copernicus Emergency Management Service

Estudos ambientais
Green Spaces: An Invaluable Resource for Delivering Sustainable Urban Health
Image by Fabio Fistarol

"Os parques, espaços verdes e hidrovias são espaços públicos importantes na maioria das cidades. Eles oferecem soluções para os efeitos da urbanização rápida e insustentável na saúde e no bem-estar. Os benefícios sociais e económicos dos espaços verdes urbanos são igualmente importantes e devem ser vistos no contexto de questões globais como as alterações climáticas, bem como outras prioridades estabelecidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, incluindo cidades sustentáveis, saúde pública e conservação da natureza."

Estudos ambientais
Parecer científico da SOS Salvem o Surf em 2014
Image by ZACHARY PEARSON

Este documento contém a posição da associação/ONGA SOS – Salvem o Surf sobre os impactos na praia do Plano de Pormenor do Espaço de Reestruturação Urbanística de Carcavelos Sul (PPERUCS) e das demais urbanizações que a Câmara Municipal de Cascais está a planear implantar nos presentes espaços verdes anexos à Praia de Carcavelos, comunicada ao público no  dia 14 de Dezembro de 2014, às 10h00, na Praia de Carcavelos.
 

A SOS – Salvem o Surf representa em geral a comunidade surfista em questões de preservação das praias e do ambiente natural envolvente, sem as quais não seria possível a prática do surf. O documento inclui que impactos deveriam ter sido estudados pela Câmara Municipal de Cascais, impactos cumulativos das diferentes urbanizações e das alterações climáticas previstas pelo Plano Estratégico de Cascais Face às Alterações Climáticas (PECAC). Inclui também a revisão científica da Avaliação Ambiental da Câmara Municipal de Cascais, sobre os impactos ambientais na praia, realizada em 2013 e em 2014. Mostra que a Avaliação Ambiental está incompleta e incorreta. É salientado o prejuízo que os surfistas, banhistas e demais utentes da praia, sejam eles moradores de Carcavelos ou turistas, irão sofrer no futuro.

Estudos ambientais
Escrito e editado por Lilla Schottner
Benefícios da Natureza em ambientes urbanos
Benefits of Nature in Urban Environments  copy.jpg

Um excerto do estudo "How to save and activate a park?!" sobre como salvar e activar Oxon run Park em Washington DC. O texto aqui apresentado, escrito e editado por Lilla Schottner, aborda os benefícios da Natureza na saúde física e mental dos habitantes de ambientes urbanos, bem como o seu impacto na coesão social, economia e sustentabilidade (entre outros) dos mesmos.

Estudos ambientais
Orientações sobre as melhores práticas para limitar, atenuar ou compensar a
impermeabilização dos solos
Impermeabilização dos solos.jpg

O objetivo do presente documento de trabalho dos serviços da Comissão, que contém diretrizes sobre as melhores práticas para limitar, atenuar ou compensar a impermeabilização dos solos, é informar sobre a amplitude da impermeabilização dos solos na União Europeia (UE) e o seu impacto e dar exemplos de melhores práticas. Estes exemplos podem ser de interesse para as autoridades competentes dos Estados-Membros (a nível nacional, regional e local), para os profissionais que lidam com a gestão dos solos e o ordenamento do território e para as partes interessadas em geral, mas podem também ser úteis para cada um dos cidadãos.

"Nas zonas urbanas, a diminuição da evapotranspiração provocada pelo desaparecimento da vegetação, em resultado da impermeabilização dos solos, e o aumento da absorção de energia solar causado por superfícies asfaltadas ou de betão, telhados e pedras são fatores significativos que, associados ao calor produzido pelos sistemas de ar condicionado e de refrigeração e pelo tráfego, contribuem para o efeito das «ilhas térmicas urbanas». No caso de temperaturas excessivas (ondas de calor), o efeito das ilhas térmicas urbanas pode ser particularmente grave para a saúde de grupos de pessoas vulneráveis, como os doentes crónicos e pessoas idosas. A otimização da conceção das zonas urbanas, incorporando parques e espaços verdes e preservando faixas abertas de terreno não impermeabilizado («corredores de ar fresco») para ajudar a ventilar o centro das cidades, poderá desempenhar um papel cada vez mais importante no futuro."

Estudos ambientais
Espaços verdes urbanos: um manual para a ação (2017)
Urban-Green-Spaces-PT-1.png

"A urbanização resulta num aumento da proporção da população que vive nas cidades. Na Europa, espera-se que cerca de três quartos da população vivam em ambientes urbanos até 2020. A vida urbana limita o acesso à natureza e pode aumentar a exposição a certos riscos ambientais, como a poluição atmosférica e sonora. Muitas áreas urbanas enfrentam uma crescente pressão das populações em expansão, recursos limitados e impactos crescentes das alterações climáticas. Esses desafios devem ser abordados para que as cidades proporcionem ambientes de vida saudáveis e sustentáveis."